quarta-feira, 8 de abril de 2015


À memória da Helena Frade



Numa organização da Sociedade dos Amigos do Museu Francisco Tavares Proença Júnior, a comemorar o seu centenário, decorre este fim de semana naquele museu da Beira-baixa, o II Congresso Internacional de Arqueologia na região de Castelo Branco.  Apesar dos sete anos de intervalo relativamente ao primeiro congresso realizado em Abril de 2008, em que tive então oportunidade de participar, realça-se a circunstância muito positiva da concretização em 2010 da publicação das respectivas actas, esperando-se que também neste campo a tradição possa ser mantida. Um detalhe do programa anunciado chamou-me particularmente à atenção. No final do primeiro dia de trabalhos haverá um oportuno e justíssimo acto de homenagem à arqueóloga Helena Frade, precocemente falecida há cerca de um ano. Oportuno, porque a Helena é natural da região aí tendo desenvolvido valioso trabalho de investigação cujo legado deverá interessar antes de mais aos seus conterrâneos. Justo, porque se existem arqueólogos avessos às luzes da ribalta ou às parangonas, a Helena fez parte obrigatória desse grupo, merecendo ainda mais que os seus pares não esqueçam o seu contributo para a valorização de um património que, apesar de tudo, se não dá sentido, pelo menos dá contexto e sabor às nossas efémeras vidas, enquanto profissionais que cultivam e apreciam a memória.

Conheci pessoalmente a Helena Frade, em circunstância especial de que ainda hoje me orgulho, no âmbito do concurso para o preenchimento efectivo de 6 vagas de arqueólogo, a serem colocados nos três serviços regionais de arqueologia. O concurso realizou-se em 1985 (pelo menos produziu efeitos nesse ano) e pela primeira vez desde a criação de serviços públicos no âmbito do património cultural, se conseguiam preencher lugares do quadro especificamente destinados a “arqueólogos”, embora a categoria ainda não existisse como tal. (Foi criada no tempo do IPA e algum tempo depois extinta no âmbito dos efeitos do PRACE que reduziu todos os funcionários superiores, com raras excepções,  a “técnicos superiores” indiferenciados). Até aí, os poucos arqueólogos em funções, nomeadamente nalguns museus e no IPPC, ou estavam ainda em situação provisória (normalmente ao abrigo de “destacamentos” do ensino) ou tinham-se tornado efectivos por outras vias que não concursais. No referido concurso de 1985 seriam colocados em Évora o Rui Parreira e a Susana Correia e em Coimbra, o Artur Côrte-Real e a Helena Frade. Já no caso do Serviço Regional do Norte, na altura com sede em Braga, a situação seria mais fluída, com sucessivas substituições, na medida em que os primeiros colocados (Lino Tavares Dias e Isabel Silva) transitariam para outros lugares,  sendo substituídos pelos colegas que lhes seguiam no ordenamento do concurso (Orlando Sousa, Mário Brito e Rafael Alfenim, após a saída de Mário Brito para o Museu D.Diogo de Sousa).Duma maneira geral, todos estes colegas tinham já grande experiencia de trabalho arqueológico nas mais diversas frentes e a Helena, não era excepção. Para além da frequência escola prática de São Cucufate (Vidigueira), passagem obrigatória para os estudantes de Coimbra interessados na Arqueologia, dirigia já trabalhos de campo com o marido José Carlos Caetano, na necrópole romana da Lage do Ouro, próximo do Crato, de onde este era natural. Tive por razões circunstanciais, oportunidade de acompanhar muito de perto a instalação do Serviço Regional de Arqueologia da Zona Centro enquanto Director do Departamento de Arqueologia do IPPC. Por dificuldades de nomeação do respectivo Director, ao contrário do que sucedera com Braga em que o Sande Lemos acumulando a Direcção do Campo Arqueológico, na prática pôs ao serviço deste a estrutura universitária já instalada, ou do próprio serviço de Évora, em que Caetano Beirão fora empossado logo em 1980, o serviço de Coimbra arrancou tardiamente em relação aos restantes. Para além da quase total ausência de meios e de instalações muito precárias (originalmente um pequeno andar na Guarda Inglesa, na margem esquerda do Mondego) quando o José Beleza Moreira, antigo aluno do Professor Alarcão, foi finalmente empossado, recordo que não tinha ao serviço nem administrativos nem arqueólogos. Uma das grandes urgências do concurso de 85, visava responder a essa situação e podemos dizer que o Serviço começaria finalmente a construir-se com a entrada, primeiro por destacamento desde 1983, da Helena Frade e do Artur Côrte-Real e de um ou dois administrativos.

Reunião dos arqueólogos dos Serviços Regionais de Arqueologia realizada em Coimbra em 1986. As instalações do SRA do Centro, localizadas então no bairro da "Guarda Inglesa" eram de tal modo acanhadas que a reunião acabaria por se realizar na casa da Helena Frade, em Taveira. Na foto, da direita para a esquerda António Carlos Silva (Director do Departamento de Arqueologia do IPPC), Ana Carvalho Dias (SRA Sul), um colega do SRA do Norte (Nelson Rebanda?), José Beleza Moreira (Director do SRA Centro), Helena Frade e o marido José Carlos Caetano (no caso apenas como anfitrião porque não pertencia aos serviços de arqueologia). Sentado, à frente do José Carlos, está o Rui Parreira (SRA Sul). Em primeiro plano, de costas, Artur Côrte-Real (SRA Centro) e à sua esquerda Miguel Rodrigues (?) do SRA Norte.

Apesar dos meios reduzidos e da vastíssima zona de trabalho (entre o Tejo e o Douro, ainda que muito apoiada na região de Lisboa e Vale do Tejo, pelo próprio Departamento de Arqueologia), o Beleza Moreira e a sua pequena equipa desenvolveriam até final dessa década de 80 um prodigioso trabalho de organização e enquadramento da actividade arqueológica, sem esquecer a investigação própria, como se comprova pelo currículo da Helena, mas também do Artur e do próprio Beleza Moreira. O segredo para tal, para além da qualidade técnica e humana da pequena equipa, realçando aqui por razões compreensíveis, as qualidades da própria Lena, residiu em grande parte no espírito de franca e cordial colaboração que foi possível manter entre a Direcção do Departamento e daquele serviço e sobretudo na capacidade de articulação da equipa coimbrã com a Universidade e as autarquias da região. Desse tempo, gostaria de destacar em particular o envolvimento do Serviço Regional de Arqueologia do Centro, em dois projectos, ambos começados pelo próprio Departamento e depois desenvolvidos de forma exemplar: os trabalhos de conservação e valorização em Idanha-a-Velha, coordenados pelo Artur Corte-Real e as escavações na Torre de Centum Cella dirigidas pela Helena Frade. Para os colegas mais jovens, parecerá estranho este envolvimento directo no terreno, por vezes em acções de grande envergadura, dos arqueólogos-funcionários públicos, que hoje vêm quase só atrás das secretárias ou na melhor das hipóteses, a emitirem “pareceres” em rápidas visitas de campo…Se recordarmos que os meios (técnicos e financeiros) seriam na generalidade dos casos claramente insuficientes, poderá fazer-se uma idéia do que era obrigatório compensar em termos de envolvimento pessoal e cooperação institucional (serviços, autarquias, associações locais, universidades…). E nesse campo, o “pequeno” Serviço Regional de Arqueologia do Centro foi particularmente exemplar. Tenho por acaso na minha frente, uma separata das Actas do II Encontro de Arqueologia Urbana que teve lugar em Braga em 1994, assinada pela Helena e pelo José Carlos Caetano, sobre o “Patio da Inquisição de Coimbra” e que regista os dados de uma das últimas intervenções de emergência daquele serviço, dirigida pela Helena na cidade do Mondego, entre Dezembro de 1989 e Fevereiro de 1990. 

Pouco tempo depois aqueles serviços foram extintos, o José Beleza Moreira aposentou-se e os seus dois arqueólogos foram integrados na Direcção Regional do IPPC/IPPAR entretanto criada. Desde 1988, com a minha vinda para Évora que, apesar da amizade (recordo com saudade uma agradabilíssima estadia, com a minha mulher, na casa de Taveiro, onde residiam a Lena e o Zé Carlos) que os nossos contactos se foram reduzindo. Mas, de tempos a tempos, era hábito da Lena ligar-me para o serviço de Évora, para saber novidades, particularmente em épocas de mudanças e alterações cada vez mais frequentes e absurdas. E nessa altura era bem visível, sem que no entanto o manifestasse explicitamente, o seu crescente desencanto com o rumo que as coisas levavam e o afastamento compulsivo daquilo que ela mais prezava. Ou seja o contacto com a realidade do património e das pessoas que apenas o trabalho de campo proporciona. Julgo que a última vez que nos cruzámos pessoalmente terá sido no Crato, no funeral do José Carlos em 2006. Falámos de novo algumas vezes por telefone, mas quase sempre em nome da memória porque o presente, claramente, já pouco tinha para lhe oferecer.



Com a devida vénia, transcrevo a nota evocativa divulgada pelo José d'Encarnação, professor da Helena em Coimbra, a quando da notícia do seu falecimento em Junho do ano passado:


Helena Frade (02-08-1957 / 20-06-2014)

Maria Helena Simões Frade nasceu em Lavacolhos, Fundão, para onde se realizou o seu funeral, no final da tarde de sábado, dia 21. Licenciou-se em História, na variante de Arqueologia, em 1979, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, e nessa mesma escola defendeu, em 2002, a tese de mestrado em Arqueologia Romana, intitulada Centum Celas: uma villa romana na Cova da Beira(disponível em http://hdl.handle.net/10316/9773), que preparara sob orientação do Professor Jorge de Alarcão.
Começou a sua vida profissional no ano lectivo de 1979/1980, como docente dos ensinos básico e secundário, em escolas de Vila de Rei, Crato e Anadia, ingressando, em 1983, para o Serviço Regional de Arqueologia da Zona Centro, funções em que se manteve, nos diversos organismos que se sucederam a esta estrutura regional da Secretaria de Estado da Cultura.
Fora casada com José Carlos Caetano, também ele precocemente arrebatado do nosso convívio, e com o qual trabalhara, por exemplo, na Lage do Ouro (Crato), necrópole romana cuja meticulosa escavação muito contribuiu para o conhecimento das práticas funerárias na Lusitânia (veja-se, a título de exemplo, a comunicação «Ritos funerários romanos no Nordeste Alentejano» feita ao 2º Congresso Peninsular de História Antiga. Actas (Coimbra, 18-20 de Outubro de 1990), Coimbra, 1993, p. 847-872).
O nome de Helena Frade fica indelevelmente ligado a sítios arqueológicos onde a sua acção foi deveras marcante: as termas de S. Pedro do Sul, o anfiteatro de Bobadela, em Oliveira do Hospital («A arquitectura do anfiteatro romano de Bobadela», Colóquio Internacional ‘El Anfiteatro en la Hispania Romana’ (Mérida 1992), Mérida, 1994 349-371), Almofala («A Torre de Almofala», Actas das IV Jornadas Arqueológicas da Associação dos Arqueólogos Portugueses (Lisboa 1990), Lisboa 1991, 353-360) e Centum Celas («A torre de Centum Cellas (Belmonte): uma villa romana», Conimbriga32/33 1993-1994 87-106).
Integrou também, de 1980 a 1983, a equipa luso-francesa de arqueólogos que escavou a villa romana de S. Cucufate.
A experiência assim adquirida levou-a, pois, a interessar-se de modo especial pelos ritos funerários romanos e pela problemática das termas, tendo nesse âmbito preparado (e publicado) comunicações em reuniões científicas nacionais e internacionais e artigos, porque foi seu timbre dar a conhecer o que lograra investigar, por exemplo na Informação Arqueológica, enquanto esse oportuno órgão existiu. Por isso foi convidada a participar com textos de síntese acerca dessas temáticas no II volume (O Mundo Luso-Romano) da História de Portugal publicada, em 1993, por Ediclube (p. 331-340, sobre os ritos, e 350-355, sobre as termas).
Helena Frade pautou o seu modo de estar na vida – nomeadamente na profissional – pelo rigor, pela frontalidade, pela vontade de contribuir para a melhoria das pessoas e das instituições. Nem sempre terá sido compreendida, sabemo-lo os que de perto a acompanhámos; mas sabemos quanto era lídima a sua intenção. A saúde não a ajudou; a morte prematura de seu grande companheiro de lide, a 25-01-2006, determinou muito a sua atitude. Fica-nos, pois, a saudade de uma lutadora por ideais; de uma Amiga; de uma arqueóloga competente e cumpridora.

Sem comentários:

Enviar um comentário